Pular para o conteúdo principal

Quem perde, perde.





O vereador Daniel Carvalho (PV) se reelegeu para a presidência da Câmara Municipal de Contagem, na última terça-feira (27). Na comparação a reeleição dos dois últimos presidente da Casa, sua reeleição foi bastante antecipada.

Irineu Inácio (PP), que comandou a Câmara de 2008 a 2012, reelegeu-se em dezembro de 2010. Da mesma forma o vereador Teteco (PMDB). Presidiu a Câmara entre os anos de 2013 e 2016, sendo reconduzido ao comando do legislativo em votação que ocorreu no mês de novembro de 2014.

Mas tudo dentro dos conformes. O regimento da Câmara assim permite. A eleição foi aprovada em requerimento apresentado na semana anterior.

Era uma eleição que vinha tencionando a relação entre Daniel Carvalho e o prefeito Alex de Freitas (PSDB).

Desde que o vereador Teteco (MDB) foi escolhido líder do governo na Câmara, corre a notícia – impulsionada pelo próprio emedebista -- de que o acordo do MDB com o governo incluía, além da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e outros cargos na estrutura da prefeitura, o apoio do governo para o seu retorno à presidência da Câmara.

Não se tratava só de boato. O governo chegou a oferecer o comando de uma secretaria a Daniel Carvalho, para que este saísse da disputa e apoiasse a candidatura de Teteco. Não houve acordo.  

Daniel movimentou-se rápido, construindo maioria ante a fragilidade política do governo tucano. A relação entre o executivo e os vereadores permanece muito ruim. Até a possibilidade de impeachment de Alex de Freitas foi discutida no final de 2017. Começou como uma conjecturação descompromissada e entrou na seara da viabilidade jurídica.

Teteco, o candidato do governo, também não ajudou muito. Como líder de governo, reclamam os vereadores, ele tratou de articular só os seus interesses. Perdeu o convencimento e ascensão sobre os seus pares.

Com esse cenário, o governo seria facilmente derrotado.

Alex costurou uma “vitória na derrota”. Acertou uma composição com o presidente da Câmara, entregando-lhe os poucos votos que tinha. Tenta, com isso, recelebrar a relação com Carvalho, além de evitar a exposição da sua fragilidade política.

Isso garantiu a eleição, por unanimidade, de Daniel Carvalho. Ele sabe, porém, que ganharia “apesar do governo”.

Intimamente, não deve se sentir obrigado a nada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Para tentar reeleição, Alex de Freitas se joga para o “tudo ou nada”

Depois de passar os dois primeiros anos do seu governo patinando, sem sair do lugar, o prefeito de Contagem, Alex de Freitas, começa o ano de 2019 se jogando num verdadeiro “tudo ou nada”, na tentativa de viabilizar sua reeleição. Três movimentos evidenciaram seu intento: primeiro, a declaração de que Contagem receberia o “maior pacote de obras da história”, em entrevista para o jornal O Tempo Contagem; segundo, o conjunto de nomeações e movimento de cadeiras dos cargos do governo, terceiro, o anúncio da sua desfiliação do PSDB.
Sobre o anúncio das obras, a natureza da repercussão pode ser conferida nos comentários que se seguiram da publicação da matéria em seu perfil no Facebook. Resumindo, o que mais se registra nos quase 300 comentários é a total incredulidade das pessoas com tudo que Alex anuncia. Foram ironias como “O Natal já passou, agora vamos acreditar no coelhinho da Páscoa”, decepções manifestas, “Fiz campanha pra vc [SIC], mas hoje me arrependo”, e confrontação de contrad…

Em Contagem, debate sobre o IPTU não é fiscal ou jurídico. É sobre traição

Nas primeiras horas da manhã da última terça-feira (22), uma enxurrada de mensagens — disparadas principalmente por integrantes da gestão do prefeito Alex de Freitas (sem partido) — varreu grupos e perfis do whatsapp, com a notícia de que o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) teria entrado com uma ação contra os ex-prefeitos de Contagem, Marília Campos (PT), Carlin Moura (PCdoB) e Ademir Lucas (Solidariedade). Em 2017, notícia e ação parecida também ganhou as redes sociais. A mobilização de apoiadores e agentes do governo para a disseminação da notícia registra o interesse do prefeito Alex de Freitas sobre o conteúdo noticioso.
Os ex-prefeitos, na avaliação da promotora de Justiça do Patrimônio Público de Contagem, Michelle Silva Magalhães, teriam praticado “ato de improbidade administrativa ao não recolherem, em suas gestões, o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU)”, registra a matéria. Assim, Magalhães, que assina a ação, pede a restituição de R$ 1,1 bilhão.
O que quer o…

Com o caixa da prefeitura no vermelho, Alex de Freitas faz mais uma das suas viagens internacionais

Contraditoriamente ao anúncio de que a Prefeitura de Contagem reduzirá cerca de 300 cargos, entre outras ações que visam redução de gastos, o prefeito Alex de Freitas embarcou  para mais uma das suas viagens internacionais. Serão cerca de 10 dias fora da cidade. Primeiro, ele desembarcará em Roma, na Itália. Depois, em Tel Aviv, em Israel.  Com uma comitiva composta por outros três integrantes do governo, somente em pagamento de diárias serão desembolsados mais de R$ 100 mil.