Pular para o conteúdo principal

Ministério Público de Contas “enquadra” Alex de Freitas para que cobre o IPTU
























O Ministério Público de Contas (MPC)  está acompanhando de perto a regularização da cobrança do IPTU residência em Contagem. Assim, o procurador Marcílio Barenco de Corrêa de Melo, protocolou no gabinete do atual prefeito de Contagem, Alex de Freitas (PSDB), no dia 8 de fevereiro desse ano, um ofício solicitando dados sobre a cobrança do tributo municipal. No mesmo documento, o procurador aponta para Alex a cobrança do IPTU, sob risco “de estar incorrendo em ato inconstitucional de grave repercussão orçamentário-financeira e danosa ao erário”, além de reforçar que a não cobrança é passível de responsabilização pessoal por ato de improbidade administrativa, conforme previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal.

O Ministério Público de Contas também pediu informações sobre as medidas adotadas pelo atual governo para a “implementação, no exercício financeiro do ano corrente do ano corrente, do lançamento tributário e cobrança do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU)”.

O projeto de regularização da cobrança do IPTU residencial, enviado pela Prefeitura de Contagem e aprovado pela Câmara Municipal de Contagem, mantém a isenção do imposto para mais 63% das residências de Contagem, o Ministério Público de Contas também solicitou “demonstrativos de impacto orçamentário-financeiros referentes ao exercício de 2018”, para avaliação das isenções que foram permitidas pela Lei Municipal.

Nas últimas semanas o procurador Marcílio Barenco confirmou, em entrevista ao Jornal Contagem, que todos os ex-prefeitos da cidade “podem ter praticado atos de improbidade administrativa, cujas consequências podem ser a perda de direitos políticos, entre outras penalidades”.

Ainda na entrevista ele explicou que “há um contexto normativo de ilegalidade já verificado, com flagrante violação da Lei de Responsabilidade Fiscal. Todos os partícipes da renúncia ilegal de receita (isenção indistinta do IPTU) serão alcançados oportunamente pela ação de responsabilização junto ao Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG)”. 








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Para tentar reeleição, Alex de Freitas se joga para o “tudo ou nada”

Depois de passar os dois primeiros anos do seu governo patinando, sem sair do lugar, o prefeito de Contagem, Alex de Freitas, começa o ano de 2019 se jogando num verdadeiro “tudo ou nada”, na tentativa de viabilizar sua reeleição. Três movimentos evidenciaram seu intento: primeiro, a declaração de que Contagem receberia o “maior pacote de obras da história”, em entrevista para o jornal O Tempo Contagem; segundo, o conjunto de nomeações e movimento de cadeiras dos cargos do governo, terceiro, o anúncio da sua desfiliação do PSDB.
Sobre o anúncio das obras, a natureza da repercussão pode ser conferida nos comentários que se seguiram da publicação da matéria em seu perfil no Facebook. Resumindo, o que mais se registra nos quase 300 comentários é a total incredulidade das pessoas com tudo que Alex anuncia. Foram ironias como “O Natal já passou, agora vamos acreditar no coelhinho da Páscoa”, decepções manifestas, “Fiz campanha pra vc [SIC], mas hoje me arrependo”, e confrontação de contrad…

Em Contagem, debate sobre o IPTU não é fiscal ou jurídico. É sobre traição

Nas primeiras horas da manhã da última terça-feira (22), uma enxurrada de mensagens — disparadas principalmente por integrantes da gestão do prefeito Alex de Freitas (sem partido) — varreu grupos e perfis do whatsapp, com a notícia de que o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) teria entrado com uma ação contra os ex-prefeitos de Contagem, Marília Campos (PT), Carlin Moura (PCdoB) e Ademir Lucas (Solidariedade). Em 2017, notícia e ação parecida também ganhou as redes sociais. A mobilização de apoiadores e agentes do governo para a disseminação da notícia registra o interesse do prefeito Alex de Freitas sobre o conteúdo noticioso.
Os ex-prefeitos, na avaliação da promotora de Justiça do Patrimônio Público de Contagem, Michelle Silva Magalhães, teriam praticado “ato de improbidade administrativa ao não recolherem, em suas gestões, o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU)”, registra a matéria. Assim, Magalhães, que assina a ação, pede a restituição de R$ 1,1 bilhão.
O que quer o…

Com o caixa da prefeitura no vermelho, Alex de Freitas faz mais uma das suas viagens internacionais

Contraditoriamente ao anúncio de que a Prefeitura de Contagem reduzirá cerca de 300 cargos, entre outras ações que visam redução de gastos, o prefeito Alex de Freitas embarcou  para mais uma das suas viagens internacionais. Serão cerca de 10 dias fora da cidade. Primeiro, ele desembarcará em Roma, na Itália. Depois, em Tel Aviv, em Israel.  Com uma comitiva composta por outros três integrantes do governo, somente em pagamento de diárias serão desembolsados mais de R$ 100 mil.