Pular para o conteúdo principal

Lei de 2009 permite Contagem ter 27 vereadores


Crédito da Foto: Elias Ramos / PMC



A Câmara Municipal de Contagem poderia ter — desde 2009! — uma representação mais ampliada, com 27 vereadores, se tivesse feito uma alteração da Lei Orgânica Municipal, com base na Emenda Constitucional nº 58, que estabelece parâmetros para o número de cadeiras das câmaras municipais, tendo por media o número de habitantes das cidades. Pela emenda, Contagem está entre os município com população entre 600 mil e 750 mil habitantes, o que lhe permitiria aumentar sua representação em 27 cadeiras.

Se assim fosse, nas eleições desse ano teriam sido reeleitos os vereadores Fredim Carneiro (PSDB), Isabela Filaretti (Rede) e Décinho Camargos (PHS); o ex-vereador Alessandro Henrique (PTC) voltaria ao legislativo e Hugo Vilaça (PTdoB) e Denilson da JUC (SD) estreariam em seu primeiro mandato.

Isso é o que mostra o cruzamento de dados feito pelo Blog Bastidores de Contagem, com base nas estatísticas eleitorais desse ano.

Como o legislativo de Contagem possui apenas 21 vereadores, o quociente eleitoral (resultado da divisão entre os votos válidos e o número de representações da Câmara), foi de 14.698. Se o número de assentos fosse 27, o quociente eleitoral já cairia para 11.432.

Só por essa soma, o PHS do vereador Decinho Camargos, o PSDB do vereador Fredim Carneiro, e a Rede Sustentabilidade da vereadora Isabela Filaretti, teriam garantido uma cadeira cada, reelegendo-os.  

21 Cadeiras



27 Cadeiras



Na sequência, inicia-se o cálculo do quociente partidário (soma dos votos nominais mais os votos de legenda), para conhecer o número de cadeiras que cada partido terá na Câmara. Em Contagem essa equação por si só não determina o número de cadeiras de cada partido, e aí começa a se calcular a distribuição das cadeiras com base na média.

O site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) explica que a média deve ser calculada pelo número de votos válidos atribuídos a cada partido político ou coligação, dividido pelo valor do quociente partidário somado às vagas obtidas por média mais um, cabendo à legenda ou à coligação “que apresentar a maior média um dos lugares a preencher, desde que tenha candidato que atenda à exigência de votação nominal mínima”.

Se fossem 27 o número de cadeiras da Câmara Municipal de Contagem, seria na soma da média que o PTdoB e o Solidariedade teriam direito a mais um cadeira cada, elegendo, respectivamente, Hugo Vilaça e Denilson da JUC, e o PTC conseguiria uma vaga, no caso, para o ex-vereador Alessandro Henrique.  

Alguns municípios já alteraram sua Lei Orgânica, de modo ampliar a representação em suas Casas legislativas.

Um exemplo é a cidade de Uberlândia. Com uma população estimada pelo IBGE em 669.672 habitantes, a Câmara Municipal conta com 27 vereadores. Ou a cidade de Betim, que embora tenha uma população menor que a de Contagem (422.354 habitantes) tem dois vereadores a mais em sua Câmara. É porque o município está na faixa populacional de mais de 300 mil, e menos que 450 mil habitantes, o que lhe permite ter 23 vereadores.

Para ler na integra a Emenda Constitucional nº 58, clique no link abaixo.





Comentários

  1. Acho que a Câmara Municipal está correta em manter apenas 21, Betim têm 23 mais poderia ter apenas uns 17, o que já é muito, muitos vereadores dessas duas cidades e isso eu posso falar bem, passam os 4 anos de mandato sem fazer nada, apenas gastando o dinheiro público e outdoor, dias das mães, dos pais, natal e por aí vai, o legislativo dessas duas cidades, e composto na sua maioria por pessoas, que não sabem o sentido da palavra servir.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Para tentar reeleição, Alex de Freitas se joga para o “tudo ou nada”

Depois de passar os dois primeiros anos do seu governo patinando, sem sair do lugar, o prefeito de Contagem, Alex de Freitas, começa o ano de 2019 se jogando num verdadeiro “tudo ou nada”, na tentativa de viabilizar sua reeleição. Três movimentos evidenciaram seu intento: primeiro, a declaração de que Contagem receberia o “maior pacote de obras da história”, em entrevista para o jornal O Tempo Contagem; segundo, o conjunto de nomeações e movimento de cadeiras dos cargos do governo, terceiro, o anúncio da sua desfiliação do PSDB.
Sobre o anúncio das obras, a natureza da repercussão pode ser conferida nos comentários que se seguiram da publicação da matéria em seu perfil no Facebook. Resumindo, o que mais se registra nos quase 300 comentários é a total incredulidade das pessoas com tudo que Alex anuncia. Foram ironias como “O Natal já passou, agora vamos acreditar no coelhinho da Páscoa”, decepções manifestas, “Fiz campanha pra vc [SIC], mas hoje me arrependo”, e confrontação de contrad…

Em Contagem, debate sobre o IPTU não é fiscal ou jurídico. É sobre traição

Nas primeiras horas da manhã da última terça-feira (22), uma enxurrada de mensagens — disparadas principalmente por integrantes da gestão do prefeito Alex de Freitas (sem partido) — varreu grupos e perfis do whatsapp, com a notícia de que o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) teria entrado com uma ação contra os ex-prefeitos de Contagem, Marília Campos (PT), Carlin Moura (PCdoB) e Ademir Lucas (Solidariedade). Em 2017, notícia e ação parecida também ganhou as redes sociais. A mobilização de apoiadores e agentes do governo para a disseminação da notícia registra o interesse do prefeito Alex de Freitas sobre o conteúdo noticioso.
Os ex-prefeitos, na avaliação da promotora de Justiça do Patrimônio Público de Contagem, Michelle Silva Magalhães, teriam praticado “ato de improbidade administrativa ao não recolherem, em suas gestões, o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU)”, registra a matéria. Assim, Magalhães, que assina a ação, pede a restituição de R$ 1,1 bilhão.
O que quer o…

Com o caixa da prefeitura no vermelho, Alex de Freitas faz mais uma das suas viagens internacionais

Contraditoriamente ao anúncio de que a Prefeitura de Contagem reduzirá cerca de 300 cargos, entre outras ações que visam redução de gastos, o prefeito Alex de Freitas embarcou  para mais uma das suas viagens internacionais. Serão cerca de 10 dias fora da cidade. Primeiro, ele desembarcará em Roma, na Itália. Depois, em Tel Aviv, em Israel.  Com uma comitiva composta por outros três integrantes do governo, somente em pagamento de diárias serão desembolsados mais de R$ 100 mil.